Saltar navegação

Pesquisa e desenvolvimento

A Renishaw está comprometida com a pesquisa e a inovação.

Um compromisso de longo prazo: pesquisa e desenvolvimento tem estado sempre no centro do nosso negócio. Normalmente investimos de 14% a 18% do volume de vendas em pesquisa e desenvolvimento para manter a liderança em nossas diferentes tecnologias.

Pesquisa e desenvolvimento - um compromisso de longo prazo

Para a Renishaw, pesquisa e desenvolvimento sempre foram o coração do nosso negócio, investimos normalmente cerca de 14% a 18% do faturamento em P&D, para manter a liderança em nossas várias tecnologias. Como diz Sir David McMurtry, Presidente e Diretor Executivo, "Inovação é o coração de tudo que fazemos como negócio, dos produtos que produzimos, dos processos utilizados em seu desenvolvimento e produção, do modo como servimos nossos clientes.”

Aplicando forças em novos setores

Microscópio Raman confocal InVia

A tecnologia da Espectroscopia Raman, que é amplamente aplicada em campos tão diversos como o farmacêutico, forense, indústrias de semicondutores e químicas, agora também está auxiliando a Renishaw na diversificação para o setor de saúde, no qual estamos desenvolvendo tecnologias de detecção de vestígios, baseadas na exploração do Efeito Raman Intensificado Pela Superfície (SERRS), para o diagnóstico molecular e aplicações de pesquisa. No entanto, isto somente foi possível devido à bem sucedida combinação de duas tecnologias diferentes que surgiram de projetos de pesquisa na Universidade Strathclyde (SERS) e na Universidade Southampton (substrato klarite).

Aperfeiçoando a medição por coordenadas

Medição de engrenagens REVO

Outro sucesso comercial atual é nosso cabeçote de medição em 5 eixos REVO® para máquinas de medição por coordenadas (CMMs), que já recebeu quatro prêmios internacionais por inovação.

Em desenvolvimento por mais de dez anos, um componente significativo são os leitores ópticos, em que a Renishaw se beneficiou enormemente da capacidade da Universidade Heriot-Watt para microfabricar sistema ópticos.

No entanto, como explica McFarland, "assim como a Espectroscopia Raman, o produto REVO é outro exemplo de como frequentemente é incorreto pensar sobre prazos de projeto de pesquisa em termos de conceito inicial de comercialização - pois para a empresa o importante é a comercialização bem sucedida, que pode levar outros cinco anos após o lançamento no mercado, especialmente quando o produto é uma verdadeira descoberta. 

Uma visão de longo prazo

A Renishaw está acostumada a ter uma visão de longo prazo dos seus projetos de engenharia e ciência, mas como diz Geoff McFarland, nosso diretor de Engenharia do Grupo, "É preciso uma crença apaixonada e definitiva na viabilidade comercial da tecnologia e capacidade de manter a calma, porque o tempo entre a tecnologia incipiente e o lançamento comercial é regularmente subestimado."

Um bom exemplo disso é nossa tecnologia de espectroscopia Raman, utilizada para identificar a composição e estrutura dos materiais, que foi originalmente desenvolvida junto com a Universidade Leeds no anos 1980.

Lutamos por longo tempo até que o protótipo de laboratório pudesse ser produzido com êxito em série e se tornasse realmente um sucesso comercial.

No entanto, esta fé agora foi recompensada e quando a retração econômica atingiu a produção global em 2009, esta foi nossa única linha de produtos que continuou a crescer.

O papel das universidades

A Renishaw tem um forte relacionamento com universidades, como parte dos nossos programas de pesquisa e desenvolvimento. Em nossas principais linhas de produtos de metrologia, temos expressiva competência em mecatrônica, na qual gostamos de realizar nossa própria pesquisa, e a seguir abordar outras organizações para suporte externo a esta especialidade.

Por esta razão, como exemplo, em anos recentes temos trabalhado com a Universidade Bath na pesquisa de materiais e com a Universidade Brunel em revestimentos.

Geoff McFarland acrescenta, "trabalhamos atualmente com várias universidades do Reino Unido, com as quais construímos relações ao longo de muitos anos. Nos concentramos no Reino Unido porque o contato face a face é, acreditamos, a chave para manter o foco e impulsionar a pesquisa até o ganho comercial definitivo".